Relatório de Viagem – Costa do Dendê 2012

Escrito por Lucia Saraiva em . Publicado em Artigos, Galeria de Fotos 2012

AMIGOS DE BIKE – CICLOTURISMO ATÉ O BAIXO SUL NA ROTA DO DENDÊ

Salvador a Itacaré/Bahia – 2012

Escrito por Lucia Saraiva, com referências de Jason Dias Silva.

Extensão de pedal: 240 km – 80% asfalto. – São 03 dias de pedal

Esquema de roteiro: Saída Terminal Marítimo do Comércio (via lancha de Mar Grande)

Bom Despacho até Nazaré: 60 km/ Almoço  Nazaré/Valença: 47 km – 1ª Pernoite  Valença/Taperoá: 15 km  Taperoá/Nilo Peçanha: 25 km  Nilo Peçanha/Ituberá: 20 km  Ituberá/Igrapiúna: 8 km – Almoço  Igrapiuna/Camamú: 10 km  Camamú/Tremembé: 25 km – 2ª Pernoite  Tremembé/Maraú: 15 km Maraú/Itacaré: 26 km (via serra das Onças-BA 001)

Fomos em 10 ciclistas (Tiujaime Caribé (57), Carlos Alberto (57), Sergio Gama (42), Jason Dias (45), Lourdinha Pinto (54), Lucia Saraiva (52), Augusto Vianna (33 anos), Eluziram Ribeiro (35), Pedro Matos (48), Paulo Cesar Brito (55) e Zena Tomio (64) como apoio de motorista e fotógrafo)

Saímos no primeiro dia Quarta feira, 05/12/2012 – Quase sempre pela costa, partindo da Ilha de Itaparica. Para hidratar colocamos cada um, uma Pastilha Suum no squeeze… Oferecimento de Johan Suum. Também as barrinhas da Tia Sônia se fizeram presentes, muito saborosas, oferecimento da Tia Sônia Alimentos Naturais.

Começamos com um asfaltão bonito, novo… com próxima parada em Nazaré das Farinhas, cidade histórica muito conhecida devido a Feira dos Caxixis e seus relevos. Os Amigos de Bike conhecem bem essa cidade, que encanta pelos morros e por sua maravilhosa imensidão de brotos de águas cristalinas. Pedalamos 60 km e paramos para almoçar no Restaurante Trevo, com um sol escaldante refletindo no asfalto.

Descansa um pouco e de sobremesa uma grande ladeira nos esperava. Até Valença daria 47 km. No meio desse roteiro um ônibus da empresa Cidade do Sol pára e quem sai de lá? O amigo Paulo Cesar, que trabalhou em regime de plantão, motivo pelo qual não pode iniciar com o grupo.

Chegando na Cidade de Valença, procuramos e logo nos aprumamos na Pousada Catamarã. Com a fome batendo no estômago até as costas, a noitinha procuramos o famoso Restaurante Zé da Farinha, onde plantando, colhendo, transformando e comercializando tudo que a terra lhe oferecia criou famosos caldos de aipim com Carne seca, polvo, camarão e moquecas– Referência: Restaurante Zé das Farinhas – home Page: http://restaurantezedafarinha.com.br/new/ – Uma boa prosa, contos e muita resenha rolaram neste momento. Depois nada como uma noite de sono para renovar a alma e relaxar os músculos…

Amanhecendo, acordamos bem cedo. Encaramos um café da manhã nordestino.Depois do café da manha os preparativos para os novos quilômetros de pedal e na saída no posto Lider2 começou a chover, mas isso não intimida os AMIGOS de BIKE, pelo contrário, é muito mais agradável com chuva e pedal para frente, mas tão pra frente assim, pneu furado, arrumado e pronto – agora sim, viagem tranquila, a cada km uma paisagem linda e deslumbrante.

Após 15 km de giros, entramos na Cidade de Taperoá localizada no Baixo Sul do Estado da Bahia. Fomos explorar a cidade, parando para tirar fotos em frente da Capela de São Brás, construída em 1737 e conhecer o rio que banha a mesma – o Rio do Engenho. Em Taperoá foi implantado a indústria de dendê com a instalação da Fábrica de Óleos de Palma S.A – OPALMA

Os 25 km seguintes chegamos a Cidade de Nilo Peçanha cortada pelo Rio das Almas, muito bom para a prática do rafting. Localiza-se também a Praia de Pratigi pela estrada asfaltada – nestes trechos existem as comunidades remanescentes de antigos quilombos que mantém viva a tradição negra, como exemplo citamos o grupo folclórico Zambiapunga.

Chegamos a Cidade de Ituberá às 13h18min após girar mais 20 km, sempre numa estrada com paisagens bonitas e atrativas e asfalto bom. Esta cidade é rodeada de grandes manguezais do Canal do Serinhaém, cortada ao meio pelo Rio Santarém.

Mais adiante pedalamos um trecho de estrada de barro com vegetação de mata atlântica, para tomar banho na Cachoeira da Pancada Grande queda d’água de 61metros de altura, considerada uma das mais bonitas do litoral brasileiro e está dentro dos limites de uma Área de Proteção Ambiental. Próximo dela ainda existem as ruínas da casa de máquinas de uma antiga usina hidrelétrica.

Resolvemos subir os 301 degraus até chegar ao acesso para a parte alta da cachoeira, onde existe um mirante, que nos proporcionou uma visão de toda a costa. Neste trecho existe um cheiro muito forte no ar, proveniente da extração e processamento de borracha administrado pela Fábrica Michelin. Tem muita seringueira na região. Depois dos banhos frios e renovadores, seguimos adiante. Só não empurra!! Afinal é cicloturismo no Baixo Sul da Bahia.

Mais 8 km e chegamos à Cidade de Igrapiúna, uma das mais recentes emancipações de cidade da região, Igrapiúna surgiu de uma ideia de índios tupiniquins denominada “Igarapé -Una” que em Tupi Guarani significa pequeno rio de águas escuras. Este município enfrenta problemas de infraestrutura básica de educação e de saúde. É banhado pelo Rio Igrapiúna e pelo oceano atlântico.

Girando mais 10 km chegamos a Cidade de Camamu que é uma das mais antigas cidades brasileiras e tem uma característica parecida com Salvador, pois tem a cidade alta onde estão as antigas igrejas e casas coloniais, e a cidade baixa, com o porto e os comércios. É banhada pela linda Baia de Camamu. Com acesso para as praias de Barra Grande e Península de Maraú. Vale a pena conhecer e explorar as trilhas de bike por lá!

Bem, dormimos em Camamu na Pousada Costa do Dendê – recomendamos! Fica em frente para a Baia de Camamu, com um belo café da manhã num visual deslumbrante e preço melhor ainda…

Com coceira nos pés, todos fomos girando mais 25 km entrando do lado direito da pista a 2 km com uma trilha gostosa de barro, pedras e buracos. Neste trecho houve uma comunicação truncada e alguns foram uns 8 km a mais do local de encontro, mas depois ficamos juntos para tomar banho nas quedas d´água da Cachoeira do Demé dos Rios Baiano 1 e 2, onde forma um grande lago, ideal para recarregar as energias e aproveitar todo o visual deslumbrante do lugar. Neste trecho, aconteceu algo inusitado, num instante que o Jaime foi pegar a bike dele encostada perto de um barranco, “triscou” em outra bike que estava no chão onde a escorregando pela ribanceira abaixo, caindo nas corredeiras do rio e foi arrastada rio abaixo, susto da dona (Eluziram) que gritava: “minha bike, minha bike…” Jaime e Augusto desceram correndo pela estrada e por sorte mais adiante a bike ficou enganchada numa represa, mas prontinha para mergulhar em instantes, porém bravamente, o Augusto conseguiu resgatar a bike de Eluziram, que já estava desesperada…poucas avarias e pequenas perdas, seguimos o rumo traçado..

Retornando pela mesma trilha até o asfalto, basta atravessar e do outro lado entrando em Tremembé fomos almoçar e ao mesmo tempo conhecer a propriedade (particular) do casal Nilton e Ada, uma ilha particular de onde se tem uma visão esplêndida da Cachoeira da Veneza e de quebra degustando as delicias da culinária da Ada, indicamos a moqueca de palmito colhido dentro da propriedade.

Outro fato inusitado e raro de acontecer, quando estávamos nos arrumando para ir embora, por obra do Divino, descobrimos dentro de um quarto de outro restaurante, a bike do Paulo Cesar que anteriormente fora roubada em outro cicloturismo acontecido meses antes. Ninguém sai, por enquanto, chamamos a policia e a mesma foi recuperada e o larápio denunciado, no outro dia foi preso.

Girando mais 15 km chegamos a Cidade de Maraú, santuário ecológico com belíssimas praias, restingas, recifes de corais, manguezais, e mata atlântica. Sem esquecer das imensas cachoeiras, muito bom para trilhas ecológicas de bike. Mas o nosso objetivo traçado era chegar a Itacaré, passando por todas essas cidades históricas e encantadoras. Só não empurra!

E, é claro, agora o gran finale trecho, girando pela temida e linda Serra das Onças (como subimos a noite ela não era temida e sim engolida por nossos pés no giro!) Pois na verdade, temido é o calor do sol refletindo no asfalto…), num desceeeeeeeeee montanha e depois sobeeeeeeee montanha. E tudo isso na escuridão da noite sem lua, cada um com um farol a postos, uns melhores que outros, mas sempre juntos, dando apoio, numa demonstração clara de puro companheirismo. Sem nenhuma intenção de disputa e correria, sempre juntos, esse é o nosso lema! Vencendo cada subida com um bom humor ofegante e disparando – solta o freio na descida roda presa! A única observação aqui é que não podíamos apreciar a beleza do caminho de descidas e subidas do verde que cercava, porém, sabendo apreciar o que a natureza lhe proporciona, olhe para o céu e veja o salpicado de milhões de estrelas brilhantes que nos abençoava através do Divino…

Pneus no solo da Cidade de Itacaré, com uma ciclofaixa maravilhosa, trânsito mais que tranquilo. Chegamos galera! O melhor é que estávamos tão bem que achamos pouco! Procura-se o Surf Camping Pousada e entramos as 21h20minh. Apreciamos neste local, um ambiente acolhedor, onde podíamos ficar todos (quase todos) num chalezão (08 ciclistas), onde tínhamos a nossa disposição, cozinha, sala de estar como uma grande casa abrigando os Amigos de Bike. Recomendamos!

As opções em Itacaré para quem quer dar um “rolé cicloturistico” pelas encostas da cidade, são inúmeras trilhas de bike, também caminhadas, rappel, cachoeiras, corredeiras e praias belíssimas começando pelo centro, pela praia das conchas e seguindo para o sul encontrando a praia do Resende, Tiririca ,Praia da Costa e Ribeira.

Desde a Ribeira tem-se a oportunidade de conhecer o circuito de arvorismo (permitido somente com guias locais e equipamentos de segurança),trilha do Condurú e a famosa Prainha.

Sábado, dia livre para curtir a praia de bike, escolhida a Praia da Concha pela maioria. Eu, Lourdinha, Jason e Eluziram, preferimos ir de carro até Serra Grande visitar e almoçar no Sitio e Restaurante Paraíso, situado na estrada Serra Grande-Ilhéus, onde saboreamos uma mariscada de cair os “beiços” de tão bommmm!!– Recomendamos este Restaurante a beira mar – Proprietário Dimitri e Cris – tel. 73-9992-4662 – home: http://www.paraisobahia.com.br/

Referências de hospedagem:

Pousada Telefone/Localidade Valor (R$) Catamarã 73-3641-4070/Valença 25,00 p/pessoa c/ventilador 30,00 com ar e frigobar Costa do Dendê 73-3255-1624/Camamu 45,00 p/pessoa c/ar e frigobar Surf Camping 73-9966-2522 / 9948-7727/Itacaré 50,00 p/pessoa – Chalé p 08 pessoas e 60,00 p/pessoa quarto privado c/ventilador e frigobar

Referências de Restaurantes:

Restaurante Telefone/localidade Home page Restaurante da Ada e Nilton Tremembé (ilha) De Camamú, pela BA 001 a 22,5 km, a esquerda para Tremembé. Restaurante Zé das Farinhas Valença (logo no inicio.) http://restaurantezedafarinha.com.br/new/ Restaurante Paraíso 73-9992-4662/Serra Grande http://www.paraisobahia.com.br/ Casa da Empada 73-3231-5444/Serra Grande rodovia Ilhéus-Serra Grande-Itacaré, cerca de 29 km contados de Ilhéus

Obs.: Preços ofertados no inicio de dezembro/2012, começando a temporada.

Referências de Transportes:

Ida: Lancha do Terminal Marítimo do Comércio em Salvador para Mar Grande (Ilha de Vera Cruz) – preço: R$5,00 taxa para cada bike + R$ 4,00 p/pessoa.

Dados para Retorno de Itacaré para Salvador

Com 02 opções:

(1º) Rodoviária de Itacaré roteiro até Bom Despacho – horário de saída: 14h00min e 16h30min – Custo individual de R$ 36,40 – estimado a viagem em 5 horas até Bom Despacho.

Rodoviária Itacaré até o Terminal Bom Despacho: R$ 36,40 + 5,00 (bike) + custo do Ferry Boat (este pode ser o passageiro com a bike sem roda – não cobra neste caso, e/ou o passageiro + bike como transporte – fica mais caro. Esta é a pior opção, ônibus simples, tipo pára,pára, carrega galinha, porco, passarinho, choro de criança, um horror. E depois quando chega ao terminal do Bom Despacho (que de bom não tem nada!) ainda tem que dar sorte para não amargar numa fila de 3 horas a espera de um ferry boat (que, nesta data em que escrevo esse relatório, a frota está em intervenção pelo governo – deve melhorar depois.)

2º) Para quem optar por viajar de Itacaré até a Rodoviária de Ilhéus: 12,07 + 3,00 (bike) + 69,90 do ônibus da Empresa Águia Branca (semi-leito) que sai de ilhéus para Salvador nos horários: horários: 08h30min – chega 16h25min e 12h45min – chega a Salvador 20h30min, além do último horário 22h00min – chega 06h00min em Salvador = custo total = R$ 90,00 reais – É a melhor opção.

site da Águia Branca que vende passagem on line:http://www.aguiabranca.com.br/

Ônibus de saída de Itacaré para Ilhéus:

Horário de saída Chegada prevista Preço Tipo 05h00min 08h30min 12,07 CONVEN 05h15min 07h00min 12,07 CONVEN 06h15min 08h00min 12,07 CONVEN 07h15min 09h00min 12,07 CONVEN 08h00min 09h45min 12,07 CONVEN 09h00min 10h45min 12,07 CONVEN 10h00min 11h45min 12,07 CONVEN 11h00min 12h45min 12,07 CONVEN 12h00min 13h45min 12,07 CONVEN 13h20min 15h05min 12,07 CONVEN 14h20min 16h05min 12,07 CONVEN 15h20min 17h05min 12,07 CONVEN 16h25min 18h10min 12,07 CONVEN 17h25min 19h10min 12,07 CONVEN 18h25min 20h10min 12,07 CONVEN 19h45min 21h30min 12,07 CONVEN

Rodoviária Ilhéus (Empresa Rota) – 73-3634-3161

Rodoviária Itacaré (Empresa Rota) – 73-3251-2181

Coordenação: Comunidade Amigos de Bike – info@amigosdebike.com.br – www.amigosdebike.com.br

Lucia Saraiva

Trackback para o seu site.

Deixe um comentário

Você deve ser um usuário autenticado para deixar um comentário.